quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Euterpe olearacea Mart.

Pequeno, redondo e de cor azul-noite, quase negro, o açaí pode ser considerado a pérola da Amazônia.

O açaizeiro faz parte da família das palmáceas. Esta palmeira brasileira é uma planta que se desenvolve próxima aos ribeirões, rios, igapó, várzea e nas matas de terra firme, e com menos freqüência, em terrenos mais afastados e locais pantanosos. Ocorre predominantemente na região Norte, principalmente nos estados do Pará, Amapá, Maranhão e Tocantins. Palmeira delgada e alta que pode atingir uma altura de 20 a 25 metros. O açaizeiro apresenta farta perfilhação e alcança, no estado nativo, a 20 palmeiras por "touceira" (das quais pelo menos três em produção). Produz, cada uma, entre 6 e 8 cachos com 2,5 kg cada um, representando de 15 a 20 quilos de frutos por palmeira (em duas safras) e de 12 a 25 toneladas de frutos/ha/ano. Os troncos são lisos, roliços, longos, de cor clara, sem espinhos.

A palmeira do açaí apresenta folhas grandes, compridas e recortadas em tiras, de cor verde-escura, atingindo até 2 metros de comprimento. As folhas são usadas na cobertura das casas.
Cachos de flores miúdas amarelas, surgem predominantemente de setembro a janeiro, podendo aparecer quase o ano todo. 
Frutos pequeninos, redondos, roxos, quase pretos agrupados em cachos pendentes. Tem um caroço grande, e muito pouca polpa.
O fruto é colhido subindo-se na palmeira com o auxílio de um trançado de folha amarrado aos pés - a peconha.
Fructificação de outubro a janeiro.


O açaí tem um antioxidante excelente para a saúde. A polpa do açaí contém alto teor energético, e a divulgação de suas propriedades nutritivas possibilitou a abertura de novos mercados de consumo em outras regiões do país, tornando-se uma nova e ecologicamente correta, fonte de renda para as populações nativas. O cultivo e manejo do açaizeiro é ecologicamente adequado para as condições de solo úmido das várzeas do Estuário Amazônico. A palmeira pode ser utilizada para a extração do palmito (a partir da estipe), e produção de frutos, utilizados na fabricação do "vinho do açaí", que é um dos principais alimentos das populações ribeirinhas.
Dos frutos maduros, é extraída a polpa que é consumida na forma de sucos, creme, licor, geléia, mingau, sorvetes e doces.


Uma formidável concentração de antioxidantes que ajudam a combater o envelhecimento prematuro, contendo um volume 10-30 vezes maior de antocianinas (antioxidantes roxos) se comparado ao vinho tinto.
 - A antocianina é conhecida por suas potentes propriedades terapêuticas entre os quais inclui-se o tratamento de retinopatia diabética e de doença fibrocística da mama em seres humanos. Entre os potenciais efeitos fisiológicos das antocianinas incluem-se agentes radioprotetores, químioprotetores, vasoprotetores e antiinflamatórios.
 - A principal antocianina no Açaí é a cianidina-3 glucosídeo. A cianidina-3 - glucosídeo é comprovadamente 3.5 vezes mais forte do que Trolox (análogo da vitamina E).
 - Uma sinergia de gorduras monoinsaturadas (saudáveis), fibras alimentares e fitoesteróis, que contribuem para o sistema cardiovascular e a saúde do trato digestivo.
 - Um complexo essencial quase perfeito de aminoácidos juntamente com valiosas substâncias minerais, vitais à adequada contração e regeneração musculares. 
 - Fitoesteróis valiosos. Os Esteróies são componentes de membranas de células vegetais que oferecem inúmeros benefícios ao organismo humano, entre eles, a redução da colesterolemia.
 - Os esteróis vem atualmente sendo usados no tratamento de sintomas associados à hiperplasia benigna da próstata. Provas preliminares sugerem que beta-sitosterol (o esterol predominante no Açaí) possa ajudar na prevenção da fraqueza imunológica resultante de grave estresse físico. Boa fonte de fibras, o açaí contém 2.0 gramas de fibra alimentar em uma porção.
 - As fibras promovem um sistema digestivo saudável. Acredita-se que o baixo teor de fibras na dieta americana seja fator que contribui para a alta incidência de câncer e de doenças cardíacas. Fibras solúveis podem ajudar a reduzir o colesterol sangüíneo; e acredita-se que fibras insolúveis possam ajudar a reduzir o risco de desenvolvimento de certos tipos de câncer.  - 60% Oléico (Ômega 9), ácido graxo monoinsaturado essencial, que auxilia na redução dos níveis do LDL (colesterol ruim) enquanto mantém os do HDL (colesterol bom). 12% Linoléico (Ômega 6), ácido graxo poliinsaturado essencial, que comprovadamente reduz os níveis tanto do LDL quanto do HDL.
 - Ácidos graxos ajudam no transporte e absorção de vitaminas lipossolúveis, i.e., Vitaminas A, E, D, e K . A taxa de ácido graxo do Açaí assemelha-se à do azeite de oliva, a qual se acredita seja um fator que contribui para a baixa incidência de doença coronariana nas populações mediterrâneas.

Fonte:http://www.arara.fr/BBACAI.html

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Viveiro

Segue abaixo as fotos das mudas que estamos fazendo para venda, estamos muito no começo...porém bem difícil com muito poucas vendas, poucas são as pessoas que se interessam nas mudas, mas enfim é o que amo fazer e vou fazer, pois Deus cada dia me diz para eu confiar e seguir em frente...EU CREIO SENHOR, MAS AUMENTAI A MINHA FÉ.

Hoje temos mudas aptas para venda, de Palmeira Açai, Árvore Boleira, Cacau, Ipês...

Logo teremos mudas de Copaíba, Jerivá, Pau Ferro, Pau Formiga, Banana Vermelha, Guapuru, Abiu, Pêssego do Mato, Urucum, Pimenta Rosa....e muito mais...abraços.






Copaíba

Nome popular: Copaíba, óleo-de-copaíba, copaíba-vermelha, dentre outros
Nome científico: “Copaifera langsdorffii”

Características Gerais

Altura de 10-15 m, com tronco de 50-80 cm, tendo com ocorrência os Estados de MG, GO, MS, SP e PR, principalmente na floresta latifoliada da bacia do paraná.
A árvore de copaíba é uma planta típica da floresta tropical Amazônica, que ocorre na América do Sul, especialmente no Brasil, na Colômbia e na Venezuela.
Pode alcançar mais de 30 metros de altura. Possui flores pequenas, com cachos brancos e frutas contendo uma única semente.
O óleo de copaíba é usado externamente, enquanto a tintura é geralmente usada internamente. Doses altas da planta podem ser tóxicas. Age como como um agente anti-séptico, desinfetante e antimicrobiano para usos internos e externos em infecções bacterianas.

A copaíba

copaíba, conhecida como o antibiótico da mata, é uma das plantas medicinais mais usadas naAmazônia, principalmente para tratar inflamações.
Para essa finalidade não há nenhum substituto.
Os índiosdescobriram o poder de cura do óleo de copaíba e desde então ela tem salvo a vida de muitas pessoasseriamente feridas. Muitos dizem que “longe do hospital ou da farmácia, o óleo de copaíba serve até melhordo que um médico”.
As copaibeiras atingem cerca de 36 metros de altura, 140 centímetros de diâmetro, ou rodo de até 3 metros.
As árvores são encontradas em todos os trópicos, mas com maior incidência no Brasil, onde 16espécies têm ampla distribuição.
A árvore de copaíba é conhecida como “pau-de-óleo”, “árvore milagrosa” e“árvore do óleo diesel” porque produz um óleo medicinal que pode ser extraído do tronco.
Fenologia: Floresce nos meses de Dez-Mar e a maturação dos frutos inicia-se no mês de Ago a Set.
Obtenção de sementes: Colher os frutos quando iniciarem a abertura espontânea e liberação das sementes, secar ao sol, sendo que 1 quilograma contém 1.720 unidades.
Fonte: www.clubedasemente.org.br


Copaíba
copaíba é uma espécie que quando adulta pode atingir mais de 20 m de altura nas matas do planaltopar paulista.
É uma árvore magnífica encontrada em áreas de transição do cerrado para a floresta latifoliadapar semidecídua.
Possui folhas compostas, com folíolos de coloração verde-escura.
Seus frutos sãopar arredondados, com sementes disseminadas por pássaros e suas flores perfumadas e ricas em néctar.
Suapar madeira é muito resistente e apresenta diversos usos.
De seu tronco pode ser extraído o famoso óleo dapar copaíba, chamado de bálsamo, com propriedades terapêuticas e antiinflamatórias.

copaíba

Árvore do dossel ou emergente, decídua ou semi-decídua, de médio porte, tolerante à seca e indicadora de vegetação primária e em estágio avançado de regeneração na transição entre restinga e outros tipos vegetacionais da Bahia.
Uma espécie climácica usada na restauração de áreas degradadas, encontrada em vários tipos de solo.
Utilizada como fonte de madeira e outras atividades extrativistas; atrai aves e mamíferos. Com crescimento rápido e propagação por semente razoavelemente fácil.
Nome comum:
Óleo-de-copaíba
Bálsmo
Copaíba
Copaíba-da-várzea
Copaíba-vermalha
Copaibeira-de-minas
Copaúba
Cupiúva
Oleiro
Óleo-vermelho
Pau-de-óleo
Podoi
Distribuição: Brasil (AC, AM, BA, DF, GO, MS, MG, SP, PR, RS).
Habitat: Amazônia, Caating, Cerrado e Mata Atlântica.

Usos específicos

Produtos madeireiros (cabo de ferramentas, cabo de vassoura, carrocerias, coronhas de armas, peças torneadas, caibros, janelas e venezianas, portões e portasripas, tabuados, vigas, construção naval, carvão, lenha, carpintaria e marcenaria, chapas e compensados, laminação, móveis, painéis), produtos , não madeireiros (apícola, medicinal, ornamental, óleo).
Período de frutificação: agosto a outubro
Fonte: www.refloresta-bahia.org
Copaíba
Copaíba
copaíba (Copaifera sp) fornece o bálsamo ou óleo de copaíba, um líquido transparente e terapêutico, que é a seiva extraída mediante a aplicação de furos no tronco da árvore até atingir o cerne.
O óleo da copaíba é um líquido transparente, viscoso e fluido, de sabor amargo com uma cor entre amarelo até marrom claro dourado.
O uso mais comum é o medicinal, sendo empregado como anti-inflamatório e anticancerígeno. Pelas propriedades químicas e medicinais, o óleo de copaíba é bastante procurado nos mercados regional, nacional e internacional.

Uso tradicional

Copaíba
Casca de Copaíba
copaíba é incrivelmente poderosa, um antibiótico da mata, que já salvou vidas de muitos caboclos e índios seriamente feridos. Em algumas regiões, o chá da casca é bastante utilizado como anti-inflamatório. Em Belém, a garrafada da casca está sendo utilizada como substituto do óleo de copaíba. Isto porque é cada vez mais difícil encontrar o óleo. A casca entra na composição de todos os lambedores ou xaropes para tosse. Nos Andes do Peru, o óleo de copaíba é utilizado para estrangúria, sífilis e catarros.

Remédio universal da Amazônia

A Medicina tradicional no Brasil recomenda óleo de copaíba hoje como um agente antiinflamatório, para tratamento de caspa, todas tipos de desordens de pele e para úlceras de estômago. Copaíba também tem propriedades diuréticas, expectorantes, desinfetantes, e estimulantes, e vem sendo utilizado nos tratamentos de bronquite, dor de garganta, anticoncepcional, vermífugo, dermatose e psoríase, e ainda, como combustível para clarear a escuridão da noite, substituindo a função do tradicional óleo diesel nas lamparinas.
Na indústria, esse óleo pode ser usado para fabricação de vernizes, perfumes, farmacêuticos e até para revelar fotografias.
Bibliografia
Taylor, Leslie. Herbal Secret’s of the Rainforest. Prima Publishing, Inc.. 1998Mahajan, J.R., and Ferreira, G.A., Ann. Acad. Brasil. Cienc., 43, 611 (1971) through Chem. Abstr., 77,. (1972)ESTRELLA, E. Plantas Medicinales Amazônicas: Realidad y Perspectivas. Lima: TCA, 1995. 302p.
MING, L.C.; GAUDÊNCIO, P.; SANTOS, V.P. Plantas Medicinais: Uso Popular na Reserva Extrativista “Chico Mendes” – Acre. Botucatu: CEPLAN/UNESP, 1997. 165p.
Fonte: www.amazonlink.org
FONTE: http://www.portalsaofrancisco.com.br/biologia/copaiba

Gabiroba

Gabiroba (Campomanesia xanthocarpa) é uma planta de origem brasileira, cujo nome é originado da língua guarani, que quer dizer, árvore da casca amarga. Ela é conhecida popularmente por gabirobeira, guabiroba, guavirova, guabiroba-miúda e guabiroba-da-mata.


Conheça a Gabiroba

A gabirobeira se divide em gabiroba-do-cerrado e gabiroba-da mata. A primeira é uma planta arbustiva, que varia de 0,20 a 1,50 metros de altura. A gabiroba da mata pode alcançar até 15 metros de altura.
A planta possui ciclo perene, pouco exigente em relação ao solo, sendo resistente a diferentes climas e estiagens. Suas folhas são lisas ou ásperas e variam de verde-claro a verde-escuro. Possui flor hermafrodita, de coloração que varia do branco ao creme.
Seus frutos adocicados são arredondados, aparecem geralmente de outubro a dezembro e estragam com facilidade. A polpa é esverdeada, suculenta e possui grande quantidade de sementes. Propaga-se por sementes ou mudas.

Propriedades da Gabiroba

Ela é rica em carboidratos, proteínas, sais minerais, niacina e vitaminas C e do complexo B. Ela possui propriedades terapêuticas tais como adstringente, antidiarreica, antigripal, anti-inflamatória, por isso ela é suada na medicina popular em várias regiões brasileiras.

Onde encontrar a gabiroba?

A gabirobeira é encontrada em pomares caseiros e principalmente nas matas da bacia dos rios dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Em mercados, feiras livres e em sites que comercializam mudas e plantas.
As plantas medicinais não substituem o acompanhamento médico e em altas doses podem ser prejudiciais à saúde.

Utilização da Gabiroba

Seu consumo regular, de forma moderada, auxilia no alívio de diarreia e disenteria. Auxilia na prevenção de gripe, no tratamento de cãibras e males do trato urinário.
A infusão de suas folhas, em banhos de imersão, atua como um excelente relaxante muscular, ajudando a aliviar dores no corpo. A casca da árvore, em forma de chá, auxilia no tratamento de problemas como cistite e uretrite.
A gabiroba pode ser consumida in natura ou na forma de sucos, sorvetes, picolés, mousses, saladas de frutas e sobremesas.

FONTE:https://www.coisasdaroca.com/plantas-medicinais/gabiroba.html

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Cacau

O Cacau é o fruto da árvore Cacaueiro. É desse fruto que se origina o chocolate através de alguns processos. O nome científico do cacau é Theobroma cacao e pertence à família das Sterculiaceae, onde é encontrado em regiões tropicais como no Brasil.




CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CACAU

O cacaueiro é uma planta estimulante, tropical, pertencente a família das Esterculiáceas, encontrada em seu habitat, nas Américas, tanto nas terras baixas, dentro dos bosques escuros e úmidos sob a proteção de grandes árvores, como em florestas menos exuberantes e relativamente menos úmidas, em altitudes variáveis, entre 0 e 1.000 m do nível do mar. Do fruto do cacaueiro se extraem sementes que, após sofrerem fermentação, transformam-se em amêndoas, das quais são produzidos o cacau em pó e a manteiga de cacau. Em fase posterior do processamento, obtém-se o chocolate, produto alimentício de alto valor energético. Envolvendo as sementes, encontra-se grande volume de polpa mucilaginosa, branca e açucarada, com a qual se produzem sucos, refrescos e geleias. Da casca extrai-se a pectina, que após simples processamento mecânico, se transformam em ração animal, ou ainda, por transformações biológicas, pode ser usada como fertilizante orgânico.
Solos

Devem ser profundos e bem drenados. Na região litorânea, os mais indicados são os latossolos vermelho-escuro, o prodizólico vermelho-amarelado e solos aluviais de boa fertilidade natural. No planalto paulista, os prodizolizados de Lins e Marília var. Marília, e os latossolos roxos.
Adubação de plantio

60 dias antes do plantio, incorporar por cova, 2 a 4 litros de esterco de galinha ou 10 a 20 litros de esterco de curral curtido, 1 Kg de calcário dolomítico ou magnesiano, 100 g de P2O5, 02 a 60 Kg/ha de K2O e até 4 Kg/ha de Zn. Acrescentar, em cobertura, 4 aplicações de 10 g de N/planta, de dois em dois meses.

Adubação de formação

Aplicar em cobertura ao redor das plantas, em três parcelas no período das chuvas, de acordo com a idade das plantas e a análise de P e K no solo em gramas por planta: no 1º ano,40 g de N, 20 a 60 g de P2O5 e 20 a 60 g de K2O; no 2º ano, 80 g de N, 30 a 90 g de P2O5 e 30 a 90 g de K2O; no 3º ano, 120 g de N, 40 a 120 g de P2O5 e 40 a 120 g de K2O.
Adubação de produção

Aplicar de acordo com a análise de solo, 50 Kg/ha de N, 30 a 90 Kg/ha de P2O5, 20 a 60 Kg/ha de K2O e até 4 Kg/ha de Zn, parcelados em três vezes, e aplicados em cobertura, nos meses de outubro, dezembro e março.

Controle de pragas e doenças

Efetuar controle sistemático às formigas quenquém e saúva, com produtos específicos. No controle a outros insetos, principalmente tripes, vaquinhas, percevejos e lagartas, empregar deltamethrin, malathion, trichlorfon ou carbaryl. Controle preventivo das doenças fúngicas: podridão-parda (Phytophthora spp.) - acefato de trifenil estanho, hidróxido de trifenil e estanho e fungicidas cúpricos; podridão-morena (Botryodiplodina theobromae) - fungicidas cúpricos; e antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) - mancozeb e cúpricos.

Colheita

Inicia-se a partir do 2º ano. Do 2º ao 4º ano, os frutos podem ser colhidos praticamente durante o ano todo. A partir do 5º ano, as colheitas são feitas em dois períodos: safra (novembro a fevereiro) e temporão (abril a agosto).






terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Aroeira - pimenteira

Nome Científico: Schinus terebinthifolius




DESCRIÇÃO : Arbusto ou árvore de até de 12 metros de altura, possui tronco geralmente curto e tortuoso de até 60 cm de diâmetro, com casca externa de coloração acinzentada, marcada por fissuras longitudinais estreitas, e casca interna de coloração rosada e textura fibrosa.

FENOLOGIA: A floração ocorre de setembro a dezembro ,e a frutificação de dezembro a junho.

UTILIZAÇÃO: A madeira,com densidade e durabilidade elevada,é transformada em esteios, mourões, lenha e carvão.

Da casca produz - se tinta para tecidos, o chá dos ramos e folhas é utilizado no tratamento de doenças das vias respiratórias e urinárias, usadas também como estimulante dos órgãos digestivos, contra moléstias da pele e debilidade dos membros em geral.

Os frutos servem como pimenta para ornamentação de pratos culinários, a árvore é usada na arborização de ruas e indicada para recuperação de áreas degradadas.

ECOLOGIA E PROPAGAÇÃO: Espécie pioneira agressiva, ocupa rapidamente ambientes secundários, sua propagação é via sementes e a semeadura assemelha - se as demais aroeiras, mas essa prefere substrato argiloso. Taxa de germinação em torno de 50% e emergência de aproximadamente 20 dias, crescimento rápido. Cabe ressaltar que propaga - se também por estaquia.

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA: No Brasil ocorre naturalmente do Maranhão ao Rio Grande do Sul, habita praticamente todas as formações florestais, tanto na caatinga, quanto nas florestas úmidas. Na Florida ( EUA  ) tornou - se invasora em áreas com solo encharcado, sendo hoje proibido seu cultivo.

FONTE : Árvores Nativas, 1ºEd, Volume 1 , Editora Plantas do Brasil , página 32 e 33.

Euterpe olearacea Mart.

Pequeno, redondo e de cor azul-noite, quase negro, o açaí pode ser considerado a pérola da Amazônia. O açaizeiro faz parte da família da...