segunda-feira, 21 de março de 2011

NOTA.

Olá, Blogueiros, tudo bem?
Gostaria de que vocês soubessem, que estou deixando de ser Paisagista na cidade de Ourinhos, pois descobri que trabalhar por conta não tem como em Ourinhos, só voltarei a trabalhar como Paisagista se for contratado por alguma empresa, firma.
Estou procurando emprego em outras areas.
Mas não vou abandonar o Blog pois são vocês que me dão força nesse momentos dificeis.
Obrigado por acessarem esse Blog.

Como montar uma Horta?

Projetos Rodrigo Sanchez.

domingo, 20 de março de 2011

Inhame ou (Colacasia esculenta)









Nome Científico: Colocasia esculenta

Sinonímia: Colocasia antiquorum, Arum esculentum, Colocasia esculenta antiquorum, Colocasia esculenta var. aquatilis

Nome Popular: Taro, taioba-de-são-tomé, inhame-coco, coco, inhame-preto, inhame-branco, taioba, orelha-de-elefante, inhame-selvagem

Família: Araceae

Divisão: Angiospermae

Origem: Ásia Tropical

Ciclo de Vida: Perene

O taro é uma planta de textura herbácea, da mesma família do Caládio (Caladium) e apresenta dupla função: como planta ornamental e de uso alimentício. No Brasil o taro confunde-se muitas vezes com o inhame-verdadeiro ou cará, planta do gênero Dioscorea, que também é muito utilizada na alimentação. O taro apresenta folhas grandes, peltadas, cordiformes, de cores que variam do verde ao roxo escuro, quase preto, de acordo com a cultivar. Ele é uma planta acaule, estolonífera e rizomatosa, com rizoma tuberoso que forma cormos espessos e de casca escamosa, fibrosa e de cor castanha.

O taro é uma das plantas mais antigas cultivadas. Apesar de ser uma planta de alto valor nutricional, rica em vitaminas e energia, o taro é tóxico se consumido cru, devido a ráfides de oxalato de cálcio contidas em seus órgãos. Pelo mesmo motivo, não é recomendado o consumo do taro para pessoas com gota, artrite ou cálculo renal. Quase todas as partes da planta podem ser consumidas, desde as folhas, até as flores, mas principalmente os cormos, que encerram grande quantidade de amido e prestam-se para o preparo cozidas, assadas ou em produtos de panificação.

Algumas variedades da planta são mais indicadas para ornamentação e outras para o uso alimentar. As variedades mais conhecidas, entre produtivas e ornamentais, são: 'Globulifera', 'Trinidad', 'Sacramento', 'Fontanesia', 'Illustris' (Taro-imperial), 'Black Magic', 'Jet Black Gold' e 'Jet Black Wonder', 'Hilo' (variegado). No jardim, o taro pode ser plantado em maciços, canteiros ou renques junto a muros. Sendo que algumas variedades se adaptam a situações de sol pleno.
Deve ser cultivado sob sol pleno ou meia-sombra, em solo leve e fértil, enriquecido com matéria orgânica, mantido úmido. Por estes motivos é uma excelente planta palustre no paisagismo de lagos e riachos. Planta essencialmente tropical, o taro não tolera o frio, mas pode ser utilizada protegida, na decoração de ambientes internos bem iluminados e em estufas. Multiplica-se por divisão das touceiras ou rizomas.

Fonte:http: //www.jardineiro.net/br/banco/colocasia_esculenta.php

Globo Rural.

terça-feira, 8 de março de 2011

Orégano ou (Origanum vulgare).












Nome Científico: Origanum vulgare
Sinonímia: Micromeria formosana, Origanum creticum, Origanum dilatatum, Origanum normale, Origanum puberulum, Origanum vulgaris
Nome Popular: Orégano, Orégão, Orégão-vulgar-do-minho, Orégãos, Manjerona-brava, Manjerona-selvagem
Família: Lamiaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Mediterrâneo
Ciclo de Vida: Perene

O orégano é uma planta semi-lenhosa, ramificada, perene e de folhas muito aromáticas, indispensáveis na culinária mediterrânea. Ele está relacionado botanicamente com a manjerona, mas difere desta principalmente pelo aroma. Algumas variedades de orégano se apresentam tal como pequenos arbustos, densos, com caule e ramagem eretos, outras são como forrações, espalhando-se com rizomas e ramagem prostrada. As folhas são ovais, pecioladas, opostas, geralmente pubescentes e ricas em óleo essencial. Suas flores são pequenas, tubulares, róseas a arroxeadas e surgem no verão, em inflorescências do tipo rácemo.

Indispensável na horta doméstica, o orégano combina perfeitamente com tomate, alho, manjericão, azeite e queijos. Pode ser usado fresco, mas o aroma pungente de suas folhas se intensifica com a secagem. Como outras ervas aromáticas, o orégano perde seu sabor se cozido, portanto deve ser adicionado aos pratos sempre no final. Apesar de suas qualidades condimentares, o orégano não se restringe às hortas, ele pode ser usado sem medo no jardim, como forração ou bordadura e até mesmo em cestas suspensas. Vai muito bem em jardins rochosos. Atualmente há variedades de maior ou menos porte e com folhas e flores de cores diferentes, como 'Aureum Crispum', de folhas crespas e amarelas, ou 'Heiderose' de flores róseas. Além disso, há também algumas subespécies naturais e cruzamentos como em O. vulgare subsp. hirtum (Orégano Grego ou Turco, de sabor intenso) e Origanum X majoricum (Orégano Italiano, de sabor mais doce, cruzado com manjerona).

Deve ser cultivado sob sol pleno em solo fértil, bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado a intervalos regulares. O orégano é resistente a curtos períodos de estiagem. Apesar de sobreviver à meia-sombra, sua folhagem não adquire aroma tão intenso nessas condições. Apesar de perene, deve ser replantado a cada 2 a 3 anos, pois perde o vigor e a beleza com o tempo. Multiplica-se por sementes, divisão das touceiras ou da ramagem.

FONTE: http://www.jardineiro.net/br/banco/origanum_vulgare.php

Euterpe olearacea Mart.

Pequeno, redondo e de cor azul-noite, quase negro, o açaí pode ser considerado a pérola da Amazônia. O açaizeiro faz parte da família da...