sábado, 16 de maio de 2015

Aprenda a cultivar árvores frutíferas em vasos

Seja para decoração da casa ou o contato direto com a natureza, degustação e apreciação, as árvores frutíferas plantadas em vaso são criadas por um grande número de moradores que não dispensam um jardim ou horta em seu dia a dia.





As miniárvores são delicadas e produzem frutos tão saborosos quanto os de uma árvore de tamanho convencional. As espécies dependem apenas de pequenas adaptações na varanda – ou em qualquer outro espaço de sua escolha. Em áreas um pouco maiores é possível até cultivar um mini pomar.
Para a implantação perfeita de uma miniárvore, a indicação é que o vaso tenha 80 cm de largura por 85 cm de profundidade. Para que a plantação não seja prejudicada, é indispensável impermeabilizar o vaso; lembrando que a terra não pode ser dura ou empedrada. O melhor a fazer é inserir pedrinhas e uma camada de argila ou argila expandida para a drenagem da água, o que contribui para saúde e desenvolvimento da raiz.
Alguns cuidados especiais na adubação fazem toda a diferença no resultado final do seu plantio. Os adubos com liberação lenta, ricos em fósforo, duram até três meses e são os mais indicados para as árvores frutíferas, e a inserção de terra vegetal e húmus de minhoca também auxilia. A rega é outro ponto primordial e precisa ser realizada três vezes durante a semana em quantidade razoável, sem deixar a terra encharcada. As mudas precisam de iluminação solar, e o mínimo indicado é de quatro horas ao dia. As espécies preferidas para cultivo são: acerola, pitanga, romã, jabuticaba, pêssego, limão siciliano, mirtilo, amora e cajá-manga.



Agora vamos ao passo a passo para o plantio superfácil de uma árvore frutífera em vaso. Acompanhe:
Material:
- 1 muda de árvore frutífera ;
- Argila expandida;
- Terra vegetal;
- Cascalho pequeno;
- Vaso de terracota (seu tamanho deve ser proporcional ao tamanho da muda);
- Manta drenante;
- Pá.
Importante: a quantidade de terra, argila e cascalho vão depender do tamanho da muda e do vaso, mas a recomendação é comprar um saco de cada para futuras manutenções.
1º PASSO:
Coloque a manta drenante no fundo do vaso para a terra não escapar pelo dreno e também para permitir que a planta respire.
2º PASSO:
Cubra a manta drenante com a argila expandida. O recomendado é uma camada de cerca de cinco centímetros.
3º PASSO:
Sobre a argila expandida, coloque mais um pedaço da manta drenante.
4º PASSO:
Coloque uma camada de terra para que a raiz da muda fique na altura correta (o topo da muda, onde começa o caule, deve ficar a mais ou menos três centímetros da borda do vaso).
5º PASSO:
Remova cuidadosamente o plástico que envolve o torrão. Ele precisa ser mantido íntegro para que a raiz não seja prejudicada, o que pode atrapalhar o desenvolvimento da árvore.
6º PASSO:
Centralize a planta no vaso.
7º PASSO:
Complete os espaços com mais terra, mas não ultrapasse o colo do torrão, que é a região de transição entre o tronco e a raiz da planta.
8º PASSO:
Compacte a terra com as mãos até que a superfície fique uniforme.
9º PASSO:
Espalhe o cascalho ao redor da planta para fazer o acabamento.
10º PASSO:
Faça a primeira rega. Esta deve ser abundante para retirar as bolhas de ar e assentar o torrão.

Morar perto de árvores reduz casos de depressão, diz estudo.

                    Pesquisadores do Instituto de Medicina da Universidade de Exeter, no Reino Unido, desenvolveram um estudo que relaciona a arborização com a saúde mental. Segundo os especialistas, quanto mais árvores, menos quadros de depressão são identificados.

                            O estudo “Paisagem e Urbanismo” foi publicado na revista científica Science Direct. Os dados analisados pelos pesquisadores foram coletados em Londres, no período de 2009 a 2010. Entre as informações consideradas estão a quantidade de árvores nas proximidades das casas dos pacientes e as informações médicas acerca da saúde mental de cada um. Além disso, variáveis como as condições sociais, tabagismo e idade também entraram nas análises.
Para a pesquisa foram usadas apenas as informações sobre a quantidade de árvores na rua, na proximidade das residências. Os parques e outros espaços públicos de lazer não foram validados. A proposta era avaliar o impacto que a natureza em meio urbano pode ter sobre as pessoas.
                     Ao cruzar as informações, os pesquisadores identificaram: 40 árvores por quilômetro quadrado, com uma prescrição de antidepressivos que varia de 358 a 578 a cada mil pessoas. Nos locais com maior densidade de árvores, as taxas de prescrição médica para remédios antidrepressivos foi menos.
De acordo com o estudo, para cada árvore adicional houve 1,38 menos prescrições para a população. Quando todas as variáveis foram consideradas, a redução foi um pouco menor, de 1,18.
Mesmo com números positivos, os pesquisadores não podem garantir que essa melhoria seja realmente causada pela quantidade de árvores. O que se estima é que locais com a paisagem mais verde estimulam as pessoas a praticarem mais atividades físicas, a interagirem com a comunidade, entre outras coisas que proporcionam maior saúde e bem-estar. 

Redação CicloVivo

Euterpe olearacea Mart.

Pequeno, redondo e de cor azul-noite, quase negro, o açaí pode ser considerado a pérola da Amazônia. O açaizeiro faz parte da família da...